Videoconferência sobre JUPII reúne Conselhos de Administração de Portos Nacionais e Terminais

 

Os Conselhos de Administração de Por...

Videoconferência sobre JUPII reúne Conselhos de Administração de Portos Nacionais e Terminais

Os Conselhos de Administração de Portos nacionais e de alguns terminais, participaram nesta sexta-feira (15.05.2020) de uma videoconferência sobre o estado actual do projecto janela única portuária.

A reunião realizada pela primeira vez através de videoconferência, abordou aspectos ligados a partilha de custos, investimentos, formação de quadros e o horizonte da sua efectivação face a pandemia que assola o mundo.

Na oportunidade, os representantes do Porto de Luanda deram a conhecer aos participantes à videoconferência que o custo geral da janela única portuária é de 754.198,82 euros. Por outro lado, frisaram a necessidade dos custos serem partilhados.

Ao intervir, o Presidente do Conselho de Administração do Porto de Cabinda Samuel Sambo, louvou a iniciativa dos promotores da videoconferência em tempos da Covid-19, tendo referenciado o trabalho até aqui desenvolvido pela empresa que dirige. Citou as reuniões que a comissão interdisciplinar manteve com os despachantes e transitário, agentes de navegação e bancos comerciais tudo enquadrado no plano de comunicação que visa dar a conhecer aos parceiros os passos marcados no âmbito da implementação da Janela Única Portuária.

De acordo com Samuel Sambo, nesta altura estão sendo criadas todas as condições técnicas e financeiras para que o Porto de Cabinda tenha todos os seus procedimentos operacionais e de arrecadação de receitas no âmbito das operações, integrados na Janela Única Portuária.

Pelo Porto de Cabinda, também tomou a palavra durante a videoconferência o administrador para a área técnica. Artur António Fernandes carvalho, concordou com a proposta de partilha de custos tendo como base a taxa indexada a facturação mensal de cada porto ou terminal.

Artur Carvalho adiantou caso um parceiro tenha outra fonte de arrecadação, poderá pagar fora da taxa indexada a facturação. Esclareceu ainda que com a implementação da JUP II multiportos como uma ferramenta de trabalho nos Portos de Angola e Terminais, o país estaria a criar condições objectivas para obtenção de resultados eficientes e eficazes na gestão destas infra-estruturas. Disse ainda que com a JUP II multiportos, Angola ganhará posição privilegiada em termos de informação estatística, matéria a qual nos últimos anos, o país tem se posto a braços quando o assunto é fornecimento destes dados aos organismos e associações de que fazem os portos nacionais.

Pelo Porto de Cabinda, participaram da videoconferência o seu Presidente do Conselho d Administração Samuel Sambo, o administrador para a área técnica e operativa, Artur António Fernandes Carvalho, o administrador para a área financeira e recursos humanos Armando Mabiala e o coordenador da comissão interdisciplinar da JUP II em Cabinda, o director de sistemas, tecnologias de informação e comunicação José Barros.

Os Conselhos de Administração de Portos nacionais e de alguns terminais, participaram nesta sexta-feira (15.05.2020) de uma videoconferência sobre o estado actual do projecto janela única portuária.

A reunião realizada pela primeira vez através de videoconferência, abordou aspectos ligados a partilha de custos, investimentos, formação de quadros e o horizonte da sua efectivação face a pandemia que assola o mundo.

Na oportunidade, os representantes do Porto de Luanda deram a conhecer aos participantes à videoconferência que o custo geral da janela única portuária é de 754.198,82 euros. Por outro lado, frisaram a necessidade dos custos serem partilhados.

Ao intervir, o Presidente do Conselho de Administração do Porto de Cabinda Samuel Sambo, louvou a iniciativa dos promotores da videoconferência em tempos da Covid-19, tendo referenciado o trabalho até aqui desenvolvido pela empresa que dirige. Citou as reuniões que a comissão interdisciplinar manteve com os despachantes e transitário, agentes de navegação e bancos comerciais tudo enquadrado no plano de comunicação que visa dar a conhecer aos parceiros os passos marcados no âmbito da implementação da Janela Única Portuária.

De acordo com Samuel Sambo, nesta altura estão sendo criadas todas as condições técnicas e financeiras para que o Porto de Cabinda tenha todos os seus procedimentos operacionais e de arrecadação de receitas no âmbito das operações, integrados na Janela Única Portuária.

Pelo Porto de Cabinda, também tomou a palavra durante a videoconferência o administrador para a área técnica. Artur António Fernandes carvalho, concordou com a proposta de partilha de custos tendo como base a taxa indexada a facturação mensal de cada porto ou terminal.

Artur Carvalho adiantou caso um parceiro tenha outra fonte de arrecadação, poderá pagar fora da taxa indexada a facturação. Esclareceu ainda que com a implementação da JUP II multiportos como uma ferramenta de trabalho nos Portos de Angola e Terminais, o país estaria a criar condições objectivas para obtenção de resultados eficientes e eficazes na gestão destas infra-estruturas. Disse ainda que com a JUP II multiportos, Angola ganhará posição privilegiada em termos de informação estatística, matéria a qual nos últimos anos, o país tem se posto a braços quando o assunto é fornecimento destes dados aos organismos e associações de que fazem os portos nacionais.

Pelo Porto de Cabinda, participaram da videoconferência o seu Presidente do Conselho d Administração Samuel Sambo, o administrador para a área técnica e operativa, Artur António Fernandes Carvalho, o administrador para a área financeira e recursos humanos Armando Mabiala e o coordenador da comissão interdisciplinar da JUP II em Cabinda, o director de sistemas, tecnologias de informação e comunicação José Barros.

 

Porto de Cabinda já resolveu 70% das vinte e nove não conformidades do Código ISPS

 

A direcção de segurança e amb...

Porto de Cabinda já resolveu 70% das vinte e nove não conformidades do Código ISPS

A direcção de segurança e ambiente do Porto de Cabinda, conseguiu melhorar os procedimentos de segurança das instalações do Porto local em até 70% face as vinte e nove não conformidades atribuídas pelo Conselho Nacional do Código Internacional para a Protecção de navios e instalações portuárias (ISPS) em Agosto de 2018.

De acordo com o director da área de segurança do Porto de Cabinda, o trabalho de melhoria cingiu-se na formação de três oficiais do código através de um centro certificado pelo Instituto Marítimo e Portuário de Angola, (IMPA), conformação do relatório de segurança da empresa com base as normas do Código ISPS, instalação do sistema de CCTV, nomeação pelo Conselho de Administração dos três oficiais do Código para além de outras acções.

António Fuema, adianta que neste momento o Porto de Cabinda dispõe de procedimentos mais adequados de segurança no âmbito do Código ISPS, e que, a qualquer momento o Instituto Marítimo e Portuário de Angola, poderá atribuir ao Porto de Cabinda a declaração de serviços portuários que realça condições óptimas para escala e atracação de navios no seu Cais. Segundo António Fuema, o documento tem validade de cinco anos.

Nesta terça-feira (05.05.2020), a direcção de segurança e ambiente reuniu as demais áreas da empresa, para clarificar as acções desenvolvidas e a necessidade do cumprimento dos procedimentos.

O responsável, referiu que os objectivos deste Código passam pelo estabelecimento de uma estrutura internacional, envolvendo a cooperação entre Governos Contratantes, órgãos Governamentais, administrações locais e as indústrias portuárias e de navegação a fim de detectar ameaças à protecção e tomar medidas preventivas contra incidentes que afectem navios ou instalações portuárias utilizadas no comércio internacional.

 

PCA do Porto de Cabinda elogia coragem dos trabalhadores em plena pandemia da Covid-19

 

O Conselho de Administração do Porto...

PCA do Porto de Cabinda elogia coragem dos trabalhadores em plena pandemia da Covid-19

O Conselho de Administração do Porto de Cabinda fez sair na passada sexta-feira (01.05.2020), uma nota em alusão ao dia 1 de Maio de 2020. Na nota assinada pelo PCA, lê-se “ o mundo está a celebrar mais uma data dedicada ao trabalhador. O 1º de Maio, homenageia a decisão tomada pelos trabalhadores que em 1886 nos Estados Unidos de América deram início a onda de reivindicações, cujo objectivo era de conquistar melhores condições de trabalho, principalmente a redução da jornada de trabalho diária, que chegava a 17 horas, para oito horas”.

Na mensagem, Samuel Sambo, reitera que o Conselho de Administração tem as portas abertas para discussão dos mais variados assuntos que têm a ver com a vida do trabalhador portuário.

Para o Conselho de Administração, acrescenta Samuel Sambo, o trabalhador é o ponto de partida e chegada e dele depende a eficiência e a eficácia da nossa actividade.

Lê-se ainda na mensagem, a vontade da actual administração do Porto de Cabinda ver finalizado o acordo colectivo de trabalhadores. Documento no qual, o PCA chama de instrumento válido na gestão da Empresa.

Por último, realça a mensagem que o 1º de Maio de 2020 está a ser celebrado num contexto social nacional e mundial difícil para os sistemas de saúde e é imperioso que nesta altura, antes das festas internas, reuniões, marchas e actos em prol a data, sejam realizadas acções que visam a protecção do activo mais importante de uma organização que é o trabalhador.

 

Deputados avaliam medidas de combate à Covid-19 no Porto de Cabinda

 

Os deputados do círculo provincial de Cab...

Deputados avaliam medidas de combate à Covid-19 no Porto de Cabinda

Os deputados do círculo provincial de Cabinda avaliaram, quinta-feira, (30.04.2020) as medidas preventivas contra o novo coronavírus implementadas pela comissão provincial de combate à covid-19.

No encontro com a equipa da comissão provincial para a prevenção e combate à covid-19, os deputados receberam informações sobre as campanhas de sensibilização da população sobre o perigo do surto, o uso constante de máscaras, a lavagem das mãos com sabão e a desinfestação com álcool ou álcool gel.

O coordenador provincial da comissão, Alberto Paca, afirmou que a população de Cabinda tem acatado as medidas preventivas decretadas.

A província conta com dois centros de quarentena e tratamento, designadamente o Hotel Infotur, no Chibai, e a ex-Maternidade do Hospital Provincial, para atender eventuais casos positivos, locais visitados pelos deputados.

Entre as Empresas visitadas pelos deputados e a comissão, está o Porto de Cabinda. O grupo de deputados foi informado sobre o cumprimento do plano de contingência interno para além das acções junto de navios que atracam ao Cais.

Em nome do grupo, o deputado do MPLA Artur Carmo louvou do trabalho desenvolvido pelo Porto de Cabinda nesta fase difícil em que o país está a viver, tendo-se solidarizado com os trabalhadores e Conselho de Administração pelo esforço empreendido no sentido de por um lado, evitar a entrada da doença na província e por outra, garantirem a entrada de alimentos na região.

Despacho nº55

 

O Ministro dos Transportes através do despa...

Despacho nº55

O Ministro dos Transportes através do despacho nº55 subdelegou o Presidente do Conselho de Administração do Porto de Cabinda, poderes para emitir credenciais aos colaboradores indispensáveis enquanto durar o Estado de Emergência.

As credenciais, servem para mobilidade dos trabalhadores essenciais durante o período, garantido de tal forma, os serviços mínimos requeridos no Porto de Cabinda.

O Presidente da República, decretou o Estado de Emergência m Angola, devido a pandemia do coronavírus cujo país vem também sendo afectado com alguns casos positivos.

O estado de emergência declarado em Angola, visa controlar a propagação do novo coronavírus, em vigor a partir de sexta-feira 27 de Março, estabelecendo restrições de circulação em território nacional e a possibilidade de confinamento compulsivo em casa ou estabelecimentos de saúde.

O despacho é justificado pela necessidade de serem tomadas providências adicionais, no quadro das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e das boas práticas de prevenção e combate à expansão da covid-19, "no âmbito das quais têm sido tomadas medidas de severa restrição dos direitos e liberdades, em especial no que concerne aos direitos de circulação e às liberdades económicas".

 

Circular nº2 do Ministério dos Transportes

 

O Ministério dos Transportes através...

Circular nº2 do Ministério dos Transportes

O Ministério dos Transportes através do Instituto Marítimo e Portuário de Angola, publicou no passado mês de Março, uma circular que orienta as Empresas do sector a tomarem medidas imediatas em conformidade com o Despacho Legislativo Presidencial.

No documenta, o ministério dos transportes insta as Empresas a criarem Planos de Contingência para fazerem face a pandemia do coronavírus. Em seis pontos, a circular insiste que os Portos por exemplo, devem nos seus Planos de Contingência, incluir os procedimentos de atracação e desatracação de navios e as medidas durante e após descarga de mercadorias bem como os carregamentos para exportação.

Na circular, o ministério dos transportes solícita ainda medidas concretas do protocolo a tomar sobre casos suspeitos da Covid-19 nas instalações portuárias